Fala, fala, fala. Escreve, escreve, escreve.

Eu nunca me imaginei sendo outra coisa que não jornalista. Olho para mim e não vejo nenhum outro talento que não envolva falar, escrever, trocar. Por isso, mesmo depois de 2 anos me dedicando exclusivamente à maternidade, eu queria voltar para o mercado. Sentia falta, acima de tudo, de gente. E quando surgiu a chance de voltar, eu não pensei duas vezes, agarrei a oportunidade e me joguei.

Corta a cena para experiências anteriores. Eu já trabalhei em empresa grande, ganhando bem e sendo bem desvalorizada. Já trabalhei em empresa pequena em que um puxava o tapete do outro. Já trabalhei longe de casa, saindo cedinho e voltando depois das 22h sem direito a banco de horas ou dinheiro pro táxi. Já trabalhei de graça. Mas tudo isso mudou depois que eu tive a minha filha.

Sendo jornalista, sei que nunca serei rica. E é com essa certeza que eu vivo. Sendo assim, eu topo ganhar pouco, ganhar médio, se isso garantir momentos bacanas com a minha filha. Então bora ganhar pouco, mas também trabalhar pouco. Trabalhar normal. Trabalhar.

Trabalhar e ter fim de semana. Trabalhar a uma distância de casa que é ok. Trabalhar e poder deixa-la ou busca-la na escola. Trabalhar e poder fazer alguma atividade física de manhã ou à noite. Tudo isso virou prioridade pra mim. Se não fosse assim, eu ficaria em casa mesmo, com meus freelas eventuais.

Então demorou, mas eu consegui. Ana Elis entrou na escola já falando, comendo sozinha, e em pouco tempo já desfraldou. Isso é um privilégio incrível que a gente teve, e eu sei disso. Sei também que ela é só uma criança e que sente a minha falta, mas eu estou tão feliz em voltar a trabalhar que eu acho que ela também sente isso. Ela pergunta: “mamãe, vai trabalhar, você?” e quando eu confirmo, ela diz “Eu também. Na escola”. E assim estamos combinadas.

P.S.: Já expliquei pra ela o que mamãe faz no trabalho, e acho que ela entendeu: “Fala, fala, fala. Escreve, escreve, escreve”. Resumiu 4 anos de faculdade, essa garotinha.

Comments

  1. Karin says

    Ahhh q saudade q eu tava dos seus relatos! Q vcs duas sigam assim, felizes da vida!
    E se sobrar um tempinho, passa mais vezes aqui 😉
    Te seguir pelo instagram não é a msm coisas q esses posts delícia sobre vc e Elis!
    Bjoca nas duas

Deixe uma resposta